Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2006
UM TIRO ISOLADO
Já depois de algum tempo no acampamento, um pelotão recebeu ordem para escoltar várias viaturas pertencentes à coluna que tinha ido a S.Salvador levar mantimentos.
A noite ainda pairava sobre a terra com o seu manto negro, convidando a natureza ao silêncio. Aquele silêncio que só esta bela terra de Angola proporciona. Um silêncio misto de respeito e de medo pela escuridão. Seriam talvez umas quatro e trinta da manhã quando, no acampamento, se começaram a notar os movimentos próprios do pessoal que se preparava para a escolta. Os faróis da G.M.C. e dos Jipões rasgavam a noite mesclada, nesta altura, com o cinzento diáfano do amanhecer e do cacimbo que caía.
X
Depois de todo o pessoal a postos, a coluna iniciou a marcha em direcção a uma localidade onde uma outra escolta estaria à sua espera a qual, depois, a conduziria a Ambrizete. Ordens que se gritam por um lado; gracejos apoiados por sonoras gargalhadas; frio, um frio que enregelava os ossos. Frio que obrigava os homens a proteger o pescoço sob a gola do camuflado. Já teríamos feito talvez uns vinte quilómetros por entre cabeços e montes, vales e planícies, tudo coberto de partículas de cacimbo, que molha. De cacimbo que enferruja os ossos. Cacimbo que penetra no corpo fazendo tiritar de frio. De cacimbo cinzento misturado com o verde da terra e o avermelhado do sol que nasce e que dá uma tonalidade estranha e indefinível; uma tonalidade bela; uma tonalidade própria de Angola.


publicado por fercobanco às 22:39
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Anónimo a 8 de Março de 2006 às 13:27
Fernando Cobanco, o teu irmão era "Um Tiro Isolado", pela sua maneira de ser, pelo profissionalismo e pela atenção que dedicava aos colegas de trabalho. Egoísmo era palavra que não conhecia; afabilidade era sua marca.
Não o conheci. Conheço quem com ele conviveu e dele conta estórias - sabes, nessas Ceias que por aí temos.
Os meus PARABÉNS por divulgares os escritos do teu irmão.
Particularmente gosto de "Seiva de Sangue", edição de 1988 da Europa-América.
Um Abração, meu Amigo.Valério Guerra
</a>
(mailto:tchinderevalguerr@gmail.com)


Comentar post